BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS »

14/02/11

UnRavel , a soft sweet mix

27/11/08

WELCOMETOPARADISA

13/11/08

Em busca de um sonho perdido.

Na ausência, e na penumbra, quando estou só, parece que oiço a tua voz.
E ela fala para mim e por mim diz-me que não tenho culpa de estar só, que não tenho que ter vergonha, que não é a tua dor, que não foste tu a culpada por todo este sofrimento.

Mas a realidade pesa...
Estamos sós ... E parece que a única coisa que se faz realmente bem neste mundo é mentir.

Claro que fico triste por isso, é um facto e não sou louca ao ponto de pensar, que as mentiras não devem ser levadas a sério.

O Mundo a vida, e toda esta maravilha que nos rodeia, é a sério, não é a brincar, airosamente para aqui andamos a estragar tudo.

Sim Fico triste, permito-me a isso.

...




E o silêncio instala-se, perco a minha atenção numa musica e ao compasso das musicas, ou até de um sabor duma peça de fruta, e até aí parece que te sinto no sabor.

É tudo uma mentira nada disto é real. Estou a falar comigo própria e não com Ele.

Choro, dilato-me em tristezas e as lágrimas percorrem o meu corpo como ondas de suor nos nossos corpos se estivesse contigo.

SE, o se vale quanto nesta dura realidade? Um TOQUE não vale nada se não for por amor.

Queria tanto sentir-te e canto num gemido de dor. Descontrolo-me é óbvio. Então e será que enlouqueci? NÃO, não enlouqueci. O meu erro foi amar antes de saber se seria algum dia correspondida. E isso não é loucura !

Digam o que disserem. Façam o que fizerem, o meu amor vai para aquele que está longe e se calhar nem existe.

E no silêncio adormeço, descanso nas trevas e já sem estar à procura, voltas a falar-me nos sonhos, e são as mais bonitas histórias de amor, daquelas que só acontecem aos outros, outros esses que muitas vezes nem aproveitam as grandes almas que têm ao lado.



É a minha pena.
Desintegro-me em orvalho.
Aqueço e evaporo-me.
Flutuo e parece que danço contigo.

Deixo-me envolver porque estou profundamente cansada e a precisar de sonhar.

E volto a ouvir aquela voz, mas desta vez, sussurrada.

Sou um por de sol triste.


...

-Eu sou Tu e tu és Eu.

Mas como posso afirmar isso ? Como eu sou eu, sempre serei eu, conheço-me à muito, mas às vezes parece que me esqueço.

Em criança ouvia a tua voz com muito mais frequência, e sempre foi doce, lembro-me de olhar para um canto manchado do tecto e imaginar que tu eras o meu Deus.

Cheio de barbas e respeitável.

Como a humidade aumentava... as formas deixaram de ser certas e visualizava um milhão de coisas possiveis associando então a uma coisa que já conhecia.

-Ligações no cérebro, apenas isso...

-Tenho um eu realmente pouco romântico.

-Sim hehe.

-Ok podes parar, falar sim! Mas rir não!

...

E cala-se a voz, mas não para sempre, sei que volta sempre que chamar por ela. Porque esse eu não é o meu outro, é apenas o meu outro lado.

E eu também me calo.
...

E observo a vida em meu redor, tudo parece ter um ritmo próprio, um momento em vez de tempo, que é perfeito mas não absoluto, e frágil... muito frágil.

Ilumino-me e ilumino os outros que como que moscas parecem atraidos por mim, e enchem-se como pavões que são quando me vêm, e suspiram quando o meu olhar só dura meio segundo.

-Ai meu Deus, exclamam.

Mas não é Aquela cara que eu amo.
Eu reconhecia-te em qualquer lado, mas eles só me querem violar.
Por isso, NÃO! Se não me vês, ninguém me vê! E escondo-me e fujo de toda a gente, e tu perdes-te nas minhas memórias e dores.

Calo-me e não falo mais de ti para mim própria.

E parece que revoluções surgem à minha volta, tumultos, tragédias, azares, tudo parece desconexado.

A minha questão eterna será, até quando?

...

Até quando vou aguentar esta ausência, até quando ?

Até quando é que vou escrever a minha dor ? Até quando?

Até quando?

Não sei se aguento o mundo sem te abraçar e morro:

Deixo de comer, deixo de querer respirar, deixo-me de mim
e esvazio-me toda apenas sobrevivo para os outros não me interessa eu própria, porque só me fala de ti, está completamente apaixonada e simplesmente não dá para satisfazê-la.

Oiço uma voz:

-Pelo menos agora...

Estou muda.

-...

-Não é?

Impávida e serena respondo.

-...é.

- O Agora pode ser psicológico ou não.

-Gosto dos dois em conjunto, amo a perfeição.

E calo aquela voz.



Prossigo o meu caminho. Nem me importando sequer se foi a mim própria que respondi.

E cheia de feridas de amor por estares longe de mim. Sofro, mas existo, recolho e sei colher o melhor dos frutos que a vida me dá.

Não sei o que fazer com ele porque já não tenho fome à muito tempo. Por isso destribuo o fruto da vida aos outros mas não para mim.

E nesta miserável existência seguem-me estas lesmas que me sugam que me exigem e que me manipulam.

Mas eu não vou ceder a estas chantagens, eu vou seguir o meu rumo, o meu rumo é conhecer, perceber e encontrar. E não vou parar até te encontrar. Nunca me esquecerei disso. E liberto-me aos poucos das correntes enlameadas deste pantano, a que chamamos de Terra.

E despeço-me deles em todo o lado.
Como estão desatentos nem notam, pobres coitados.

É uma morte, uma mudança, um adeus sem saudade. Até o dia. Já comecei a andar, são passos pequenos para ti , mas não para mim, estou em areias movediças, território demasiado perigoso.

Uma armadilha terá que ser criada; Uma emboscada para apanhar todos os predadores que viveram da minha vida. Alguns ... Poucos mas bons, já se soltaram de mim, porque também lhes ensinei a pescar.

Mas outros afligem-se. Porque sabem mesmo não admitindo, que sem mim não são nada.

Tenciono encontrar-te mas a verdade é que não preciso que me companhes, basta-me ver-te um dia, beijar-te um dia, abraçar-te um dia, e se quiseres ir - Vai. Que também irei, seja para que sentido for, o meu é para evoluir.

---------//---------



Nestas conversas nocturnas comigo própria, adormeço molhada em lágrimas, e nos sonhos parece que sinto a tua voz quente, dentro de mim que me aquece dizendo:

-Não é a tua culpa se estou só a olhar para o mundo. Não é por tua culpa que ele cai.

-Não é o teu sofrimento, não é a tua dor, e também não é minha.

-Mas Hoje Sou tu. E Hoje tu estás comigo. Anda comigo por favor, Tu és a minha Rainha, a noite é pequena, vamos dançar. Juntos, abraçados.

-Toca-me e sente-me por aqui.

-E antes que venha a manhã, ama-me.
A noite é a nossa aliada.

...
Acordo e respondo:

- Tu és Tudo e não és nada e o que sou para Ti ?

- Eu sou também a manhã, sou Tudo, e não me contento com um nada.E aqui estou presa a um nada eterno.

10/11/08

05/11/08

lost in the weird way


Perdida, no meio de gente e a chuva só me agrada a mim, com os chapéus de chuva vejo vos menos, não sei o que estou a fazer aqui, sinto-me perdida, e as caras dos estranhos nem as quero ver, fiquei sem capacidade de querer conhecer pessoas , desisti mas só das pessoas.

Nem me interesso se têm filhos, não me interesso, porque de alguma forma eu vejo os seus ridículos defeitos e os seus absurdos muito cómodos, estou farta de pessoas, especialmente aquelas que se queixam com a cara.

Estou cansada de vos cheirar as vulgaridades, cansada de ouvir as vossas vozes nasaladas, farta de me assustar com as gargalhadas forçadas de uma miuda que cresceu rápido demais.

E em tudo existe injustiça para mim, sinto-me única neste espaço, porque me entrego mas nunca é retribuido, estou num inferno e provavelmente não vou sobreviver.


As pingas da chuva caiem e sou a única impermeável ... chovem com o medo da chuva como se fossem alérgicos ... Pessoas , parecem bichos visto de longe, e de perto parecem monstros, estou cansada, a boa noticia é que para mim vai deixar de haver tanta dor, porque me vou embora, farta até do meu corpo, farta dele também só atrai merda, um homem que eu amei não mereceu e ainda hoje faz-me mal, dificulta-me a vida. Usando o meu filho. E outros que simplesmente ficam erectos sem sequer ouvirem o que tenho dizer, é nojento!


Cansada disto, mas não deste magnifico planeta , adoro-o.
As suas paisagens acolhem-me e flutuo... sou livre.
Mas como não me deixam ser livre, vou embora.

Vou embora voando ...
A viagem é longa e nem sei se consigo,
Mas faço na mesma, ninguém vem atrás de mim

No entanto ...
Retorno, vejo as caras deles , têm dor, têm saudades.

Têm sofrimento, eles querem-me cá e não aguento também as suas caras desesperadas, e volto, volto a sofrer, volto a conviver forçada com estes patéticos humanos que volta e meia injustiçam-me por tudo e por nada, e por cá definho pelos que amo, acabo por morrer na mesma , mas de cansaço, um dia descanso, quando sentir que me abraçam e nesse dia talvêz sonhe.




Tinha sonhos maravilhosos em criança...
No 1º dia da minha menstruação, pensei que algo monstruoso tinha acontecido, mas não, a minha mãe disse-me que era normal. Tinha dores nessa noite e não percebia porquê... sonhei que estava a ser possuída por um Deus.

Conhecia pouco de sexo, mas sabia que era uma coisa boa, carinhosa, como um beijo, por isso embarquei nesse sonho, e beijei-o, a partir daí tudo mudou, ele tratava-me bem nos sonhos.

Dizia-me coisas bonitas como vamos viver assim e esquecer o passado e as paisagens eram lindas , e ... por isso deixei-me flutuar, era recorrente sonhar com ele, mas depois não sei o que aconteceu...


Já não sonhava com ele, tinha pesadelos horríveis, quiz fugir, porque todos me faziam mal, todos me queriam mal e eu só queria o bem de todos, tentei viver.

Tentei viver, tentei existir, tentei ser como sou, tentei e raras vezes me traí.

E dessas raras pago-os meus erros por todos vocês. Enganei-me a mim e fui enganada por todos, tiraram-me o chão, e desde então tem sido um mergulho profundo, em que só me afundo, porque resolvi salvar umas quantas pessoas que não sabem voar sózinhas porque têm medo de cair no abismo.

Mas e se Te dissesse que o abismo não tem fim e eventualmente, não tem tempo e até todos aprendem a voar , o que é que achavas disso ?